Hospital Santa Rita

Notícias

Acompanhe as notícias da Afecc

Acolher e cuidar estão no DNA da Afecc

Apesar do triste cenário de pandemia que o mundo vive e das restrições impostas pela Covid-19, os 69 anos de atuação da Associação Feminina de Educação e Combate ao Câncer (Afecc) são comemorados com alegria e satisfação, neste 28 de abril. Afinal, acolher e cuidar estão no DNA da Afecc e mesmo que a vida tenha mudado, a forma de cuidar dela não mudou. A prevenção continua sendo essencial, assim como o trabalho prestado pela Associação.

Em 1952, quando foi fundada, a Afecc deu início ao seu propósito de acolher e tratar com qualidade os pacientes com câncer. Hoje sua missão é “educar, prevenir, diagnosticar, tratar, reabilitar, prestar assistência social integrada e reintegrar na comunidade o paciente com câncer”. Ao longo desses anos, vem enfrentando com garra os desafios impostos pelas mais diversas situações, e a pandemia do novo coronavírus é o mais recente desafio.

A assistência médico-hospitalar prestada pelo Hospital Santa Rita, inaugurado pela Afecc em 1970, mantém os serviços cumprindo todas as medidas sanitárias determinadas pela OMS, pelo Ministério da Saúde e pelos governos Estadual e Municipal. O Hospital vem inovando e se adaptando, com segurança, às necessidades impostas pela pandemia e mantendo a qualidade dos seus serviços. Saúde é essencial e tratamento oncológico é prioridade. Em 2020 foram realizados 535.634 atendimentos médicos no Santa Rita, sendo 422.158 exclusivamente para pacientes do SUS.

Atendimento social
No que diz respeito ao atendimento social oferecido pela Afecc por meio de programas e projetos, foi preciso inovar e repensar a forma de prestação desses serviços. Todas as atividades sociais oferecidas pela Afecc são importantes para o bem-estar do paciente em tratamento de câncer, mas algumas precisaram ser revistas para que a segurança fosse mantida nesse período de circulação do vírus da Covid-19.

Diante do cenário de pandemia, as atividades presenciais dos programas e projetos sociais sofreram alterações. Algumas puderam ser mantidas, seguindo novos e rígidos protocolos de atendimento e outras passaram a ser praticadas de forma virtual. A Afecc se reinventou e se adaptou à nova realidade. Sua história de serviços filantrópicos foi a base para a confiança dos parceiros nessa nova realidade, que mantiveram o apoio e estão colaborando com campanhas em prol da Associação.

Com essa sólida parceria, foi possível manter o Programa de Assistência Integrada (PAI) e o Lanche para Pacientes e Acompanhantes. O PAI é um programa de assistência social, por meio do qual a equipe de assistentes sociais avalia a situação familiar e de risco social dos pacientes atendidos pelo SUS. Além de consulta social, também oferece atendimento psicológico, tratamento de radioterapia e quimioterapia, locomoção de pacientes, fisioterapia, exercício para reabilitação. Assim como, atende os pacientes com doações de medicamentos, material para curativos, fraldas geriátricas, dieta proteico calórica, lanches e cesta básica para os que estão em vulnerabilidade social, com o objetivo de facilitar a adesão ao tratamento, prevenindo a evasão decorrente da falta de recursos financeiros.

Por meio do PAI também é oferecida hospedagem a quem reside fora da Região Metropolitana da Grande Vitória e está em tratamento oncológico no Santa Rita. Os pacientes do SUS em tratamento de quimioterapia e de radioterapia contam com o conforto de ficar hospedados em albergues próximos ao Hospital e com transporte diário para o tratamento e para o retorno à hospedagem. Todo esse serviço é prestado sem custos para o paciente.

E o Programa Lanche para Pacientes e Acompanhantes é distribuído, diariamente, nos turnos da manhã e da tarde, nas unidades ambulatoriais, quimioterapia, diagnóstico e radioterapia. O programa é de grande relevância, principalmente, para os que residem no interior do Estado e contam com o serviço das ambulâncias e vans das prefeituras.

Com criatividade, as equipes administrativas e interdisciplinares que atendem no Centro de Vivência Casa Rosa conseguiram reinventar as ações em atendimento virtual. Foram mantidos o Reiki, Floral, Yoga, Meditação, Arteterapia e as oficinas de Artesanato, Autoestima, Orientação Nutricional, Aula de Alongamento e Core Abdominal.

Por meio dos programas e projetos sociais, ao longo de 2020 foram realizados 143.691 atendimentos e liberados 1.384.740 benefícios aos pacientes. A atenção está mantida e seguindo todas as normas de segurança, com foco na saúde. 

compartilhe: