Hospital Santa Rita

Notícias

Acompanhe as notícias da Afecc

Ah, o verão!

No verão a radiação solar incide com mais intensidade sobre a Terra, aumentando o risco de queimaduras, câncer da pele e outros problemas. Veja abaixo como se prevenir.

Filtro solar
  • Intensifique o uso de filtro solar, que deve ser aplicado diariamente e reaplicado a cada duas horas. Mas atenção: se transpirar muito e se estiver na praia ou na piscina, reaplique em menos tempo.  O recomendado é aquele com fator de proteção solar (FPS) 30 ou superior.
  • Tem crianças? Aplique e reaplique igualmente o filtro solar nelas.
  • IMPORTANTE: consulte sempre um médico para que ele indique o tipo de filtro e a melhor forma de usá-lo de acordo com o seu tipo de pele e do seu filho.
 
Roupas e acessórios
  • Durante o verão é importante usar chapéu e roupas de algodão nas atividades ao ar livre, pois eles bloqueiam a maior parte da radiação ultravioleta (UV).  Tecidos sintéticos, como o nylon, bloqueiam apenas 30%. Evite a exposição solar entre 10 e 16 horas (horário de verão).
  • As barracas usadas na praia devem ser feitas de algodão ou lona, materiais que absorvem 50% da radiação UV.  Outro objeto que tem extrema importância são os óculos de sol, que previnem lesões nos olhos. Mas fique atento e confira se a lente possui proteção adequada.
 
Hábitos diários
  • Mantenha-se hidratado! Aumente a ingestão de sucos, água de coco e principalmente da água.
  • Aplique, diariamente após o banho, um bom hidratante. Ele ajudará a manter a quantidade adequada de água na pele.
  • Alguns alimentos podem ajudar na prevenção aos danos que o sol causa à pele, como cenoura, abóbora, mamão, maçã e beterraba, pois contêm carotenoides - substância que se deposita na pele e tem importante ação antioxidante. É encontrada em frutas e em legumes de cor alaranjada ou vermelha.
  • Prefira alimentos grelhados e cozidos, bem como legumes e frutas frescas. Esses alimentos ajudam na hidratação do corpo, previne doenças e adia os sinais do envelhecimento.
  • No banho, é recomendado usar sabonetes compatíveis com o seu tipo de pele, porém, sem excesso. A temperatura da água deve ser fria ou morna, para evitar o ressecamento.
 
Doenças da pele
A combinação sol, areia, praia, piscina e excesso de suor elevam o risco de algumas doenças de pele.

Micoses: infecções causadas por fungos e que podem ocorrer na pele, unhas e cabelos.  Quando encontram condições favoráveis ao seu crescimento, como calor, umidade e baixa de imunidade, estes fungos se reproduzem e passam então a causar a doença. Os pés, a virilha e as unhas são os lugares mais comuns em que elas aparecem.  Cuide-se:
  • Enxugue-se bem após o banho, principalmente áreas de dobras da pele, como virilha, entre os dedos dos pés e axilas.
  • Evite andar descalço em pisos constantemente úmidos (lava-pés, vestiários, saunas).
  • Prefira usar calçados ventilados, como sandálias e chinelos.
  
Brotoejas: pequenas bolinhas que surgem, especialmente em bebês, devido ao contato da pele com o suor, principalmente nas “dobrinhas” da própria pele. Podem ser bolhas transparentes com pouca coceira ou “bolinhas” avermelhadas que coçam bastante.
  • Vista seu filho com roupas leves e soltas.
  • Evite locais muito abafados que propiciam a sudorese excessiva.
 
Manchas e sardas brancas: as manchas e as sardas brancas surgem devagar. Representam danos que os raios solares causaram na pele e aparecem gradativamente com o tempo, principalmente nas áreas que ficaram mais expostas ao sol.
  • A melhor forma de evitá-las é fazer uso constante do filtro solar. Essas lesões são benignas, não evoluem para o câncer da pele, entretanto, recomenda-se avaliação pelo dermatologista para diferenciá-las de lesões suspeitas, que merecem uma avaliação mais detalhada. 
 
Acne solar: provocada pela mistura da oleosidade aumentada da pele, sudorese, uso do filtro solar e da própria radiação solar.
  • Lave o rosto com um sabonete adequado para o seu tipo de pele, use tônicos mais adstringentes e filtros solares com base aquosa ou em gel, o que pode diminuir a oleosidade.
 
Fonte de informação: Site da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)
ATENÇÃO: consulte sempre um médico.

 

compartilhe: