Hospital Santa Rita

Notícias

Acompanhe as notícias da Afecc

Julho Verde 2021

Prevenção contra o câncer de cabeça e pescoço

Durante o mês de julho os cuidados com a saúde são voltados para a prevenção e a detecção precoce do câncer de cabeça e pescoço, que tem no dia 27 de julho, o Dia Mundial de Prevenção desse tipo de câncer.
 
A estimativa divulgada pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) é de que, até o final de 2021 surgirão no Brasil 36.620 novos casos da doença, sendo 19.480 em homens e 17.140 em mulheres. São tumores malignos que surgirão nas regiões da boca (mucosa bucal, gengivas, palato duro, língua e assoalho da boca), laringe e tireoide (Veja abaixo).

Ficar atendo aos sinais dessa doença e procurar o médico sempre que perceber algum sintoma que possa indicar a presença de câncer é fundamental para o sucesso do tratamento.

Somente na Afecc-Hospital Santa Rita, referência em oncologia no Espírito Santo, durante o ano de 2020 foram registrados 366 casos de câncer na região da cabeça e pescoço, sendo o câncer de boca o mais frequente (132), seguido pelo câncer de garganta (107). (Veja abaixo)

O médico Evandro Duccini, cirurgião e chefe do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Afecc-Hospital Santa Rita, alerta para a importância de as pessoas procurarem atendimento médico ao perceberem sintomas e desconfortos na região do pescoço, boca ou face.

De acordo com o médico, entre as neoplasias malignas, o câncer de cavidade oral é o quinto mais comum no Brasil e costuma surgir após os 40 anos e tem como principal fator o tabagismo que, aliado ao alcoolismo, faz com que seja até seis vezes maior a incidência da doença. “Quem fuma e bebe deve ficar atento ao surgimento de manchas brancas ou vermelhas na boca, que permanecerem por mais de 15 dias”, alerta ele.

Os principais sintomas do câncer de cabeça e pescoço, são aparecimento de nódulo no pescoço, surgimento de manchas brancas ou avermelhadas na boca, ferida que não cicatriza em duas semanas, dor de garganta que não melhora em 15 dias, dificuldade ou dor para engolir e alterações na voz ou rouquidão por mais de 15 dias. “Esses sinais também são causados ​​por outras condições clínicas, por isso é importante conversar com seu médico”, orienta Duccini. Ele também chama a atenção para a prevenção. (Veja abaixo)

ATENÇÃO – Desde o início da pandemia de Covid-19, as pessoas estão com medo de procurar atendimento médico, principalmente em unidades hospitalares, o que vem provocando agravamento da doença e, consequentemente, maior dificuldade para tratar.

 “É importante não descuidar da saúde e procurar, sempre que perceber alterações que sugerem uma possível doença, uma unidade de atendimento médico. Vá de máscara, leve um frasquinho de álcool em gel para desinfetar as mãos, procure chegar próximo do seu horário de consulta e evite proximidade com outros pacientes. Enfim, adote todos os cuidados necessários, inclusive o de ir ao médico sempre que precisar”, alerta Duccini.

Para reforçar a orientação à população sobre o câncer de cabeça e pescoço, durante o mês de julho, é realizada a campanha JULHO VERDE, com informações à sociedade sobre promoção da saúde, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação dos pacientes acometidos com câncer na região da cabeça e do pescoço.

 
Estimativa Inca para 2021
 
LOCALIZAÇÃO HOMEM MULHER NOVOS CASOS
Câncer de boca 11.180 4.010 15.190
Câncer de laringe 6.470 1.180 7.650
Câncer de tireoide 1.830 11.950 13.780
Total 19.480 17140 36.620
 
 

Registros na Afecc-Hospital Santa Rita em 2020
 
LOCALIZAÇÃO HOMEM MULHER NOVOS CASOS
Câncer de boca 103 29 132
Câncer de laringe 72 4 76
Câncer de tireoide 12 22 34
Câncer de garganta 93 14 107
Câncer nos seios da face, na glândula parótica e em outras glândulas salivares maiores 8 9 17

Total

288

78

366
 
 
Prevenção contra o câncer de cabeça e pescoço
  • Não fumar
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
  • Ter alimentação rica em frutas, verduras e legumes
  • Manter boa higiene bucal
  • Usar preservativo (camisinha) na prática do sexo oral
  • Manter o peso corporal adequado
  • Vacinar contra HPV (vírus do papiloma humano) os meninos de 11 a 14 anos e as meninas de 9 a 14 anos de idade


 
 

compartilhe: